Risco de Auditoria

Falar em Risco de Auditoria sem ter claro o conceito sobre cada termo que se aplica esta afirmativa seria leviano em demasia e desrespeito aos profissionais da auditoria independente e auditoria interna.

Sendo assim, temos “risco” como uma ameaça inerente à exposição a algo danoso, perigoso, que afete consideravelmente algum objetivo pré estabelecido.

Adaptada para o contexto, “auditoria” é um exame sistemático das atividades desenvolvidas em determinada empresa ou setor, que tem o objetivo de averiguar se elas estão de acordo com as disposições planejadas e/ou estabelecidas previamente.

Posto estes conceitos básicos sobre os termos, partimos para o entendimento do conceito efetivo de Risco de Auditoria: é o grau de exposição do auditor perante sua segurança em opinar sobre a condição econômica e financeira da empresa auditada através das suas demonstrações financeiras.

Leia tambem: NBC TA 200 – Objetivos gerais do auditor independente

Componentes do Risco de Auditoria

Deve ainda o auditor considerar os Componentes do Risco de Auditoria que são apresentados pela seguinte fórmula: Risco Inerente x Risco de Controle x Risco de Detecção = Risco de Auditoria.

Risco Inerente

O Risco Inerente é a probabilidade de ocorrerem deficiências com materialidade nas demonstrações financeiras ou nos saldos das contas, sem contar com o sistema de controle instituído na empresa, é o risco que deriva das características da própria empresa.

Risco de Controle

O Risco de Controle é a probabilidade de ocorrência de uma deficiência com materialidade nas demonstrações financeiras ou nos saldos das contas sem ser oportunamente evitada ou detectada pelo sistema de controle instituído na empresa.

Risco de Detecção

Por fim, o Risco de Detecção, onde a probabilidade dos procedimentos realizados pelo auditor não detectarem uma deficiência com materialidade nas demonstrações financeiras ou nos saldos das contas.

Cabe ao auditor medir o nível (alto, médio ou baixo) relacionado à cada um dos riscos aqui apresentados.

A emissão do parecer é de responsabilidade do auditor e sem o levantamento de todos os fatos comprobatórios cabíveis, que sustentem a emissão de tal opinião, o auditor  pode deixar de apontar incorreções presentes nas demonstrações, caracterizando assim os riscos para o profissional.

Por isso, é imprescindível que o auditor conheça bem a empresa auditada, as formas como atua, as pessoas responsáveis pelas atividades e o grau de comprometimento das mesmas. É de grande relevância conhecer o ambiente que a empresa atua, não apenas o ambiente físico, mas também averiguar o ambiente econômico e financeiro que ela atravessa, pois é um fator determinante na composição de riscos.

Flávio Macedo – Grupo MacielSpeaking of Audit Risk without clear concept about each term that applies this statement would be frivolous and too much disrespect for professional independent audit and internal audit. Thus we have “risk” as a threat inherent in exposure to something harmful, dangerous, which greatly affects some pre objective established. Adapted to the context, “audit” is a systematic examination of the activities in a given company or sector, which aims to verify if they are in accordance with planned arrangements and / or established previously.

Put these basic concepts about the terms, we start to understand the actual concept of audit risk: is the degree of exposure of the auditor before their safety opine on the economic and financial condition of the company through its audited financial statements.
Still the auditor should consider the Audit Risk Components that are presented by the following formula: Risk Inherent Risk Control x x Detection Risk = Audit Risk.
The Inherent risk is the likelihood of deficiencies with materiality in financial statements or in
the balances of accounts in addition to the control system established in the company, is the risk that derives from the company’s own characteristics. The control risk is the probability of a disabled materiality in financial statements or in the balances of accounts without being timely prevented or detected by the control system established in the company. Finally, the detection risk, where the probability of the procedures performed by the auditor not detect a disabled materiality in financial statements or in the account balances.
It is for the auditor to measure the level (high, medium or low) related to each of the risks presented here. The issue is the opinion of the auditor’s liability and without raising any applicable supporting facts, to support the issuance of such opinion, the auditor may fail to point out inaccuracies present in the statements, characterizing the risks for the professional. Therefore, it is essential that the auditor and the audited company know, the ways in which it operates, the people responsible for the activities and the degree of impairment of the same. It is of great relevance to learn about the environment it operates, not only the physical environment but also examine the economic and financial environment it goes through as it is a determining factor in the risk composition.

Hablar en Riesgo de Auditoria sin haber claro el concepto sobre cada término que se aplica esta afirmativa sería leviano en demasia y desrespeito a los profesionales de la auditoria independiente y auditoria interna. Siendo así, tenemos “riesgo” como una amenaza inherente a la exposición a algo dañino, peligroso, que afecte considerablemente algún objetivo pre establecido. Adaptada para el contexto, “auditoria” es un examen sistemático de las actividades desarrolladas en determinada empresa o sector, que tiene el objetivo de averiguar si ellas están en consonancia con las disposiciones planeadas y/o establecidas previamente.

Puesto estos conceptos básicos sobre los términos, partimos para la comprensión del concepto efectivo de Riesgo de Auditoria: es el grado de exposición del auditor ante su seguridad en opinar sobre la condición económica y financiera de la empresa auditada a través de sus demostraciones financieras.

Debe aún el auditor considerar los Componentes del Riesgo de Auditoria que son presentados por la siguiente fórmula: Riesgo Inherente x Riesgo de Control x Riesgo de Detección = Riesgo de Auditoria.

El Riesgo Inherente es la probabilidad de ocurrir deficiencias con materialidade en las demostraciones financieras o en los saldos de las cuentas, sin contar con el sistema de control instituido en la empresa, es el riesgo que deriva de las características de la propia empresa. El Riesgo de Control es la probabilidad de ocurrencia de una deficiencia con materialidade en las demostraciones financieras o en los saldos de las cuentas sin ser oportunamente evitada o detectada por el sistema de control instituido en la empresa.  Por fin, el Riesgo de Detección, donde la probabilidad de los procedimientos realizados por el auditor no detecten una deficiencia con materialidade en las demostraciones financieras o en los saldos de las cuentas.

Cabe al auditor medir el nivel (alto, medio o bajo) relacionado a la cada uno de los riesgos aquí presentados. La emisión del parecer es de responsabilidad del auditor y sin el levantamiento de todos los hechos comprobatórios cabíveis, las personas responsables por las actividades y el grado de comprometimento de las mismas. ES de gran relevancia conocer el ambiente que la empresa actúa, no sólo el ambiente físico, pero también averiguar el ambiente económico y financiero que ella atraviesa, pues es un factor determinante en la composición de riesgos.

Flávio Macedo – Grupo Maciel

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *