IFRS 9 e a mudança circunstancial da contabilização dos instrumentos financeiros mundiais.

Substituta da IAS 39 e vigorando desde 2018, a International Financial Reporting Standards 9 modifica de forma circunstancial a contabilização dos instrumentos financeiros, uniformizando procedimentos contábeis e políticas internacionais existentes, impactando especialmente aos bancos e instituições financeiras. Dentre as exigências previstas em seus textos, introduz um novo modelo de Perda de Crédito Esperada, tratando as perdas como previsíveis, diferentemente do que indicava a IAS 39 que as tratava como incorridas.

A IFRS 9, desde que entrou em vigor às entidades que reportam IFRS, fez com que  se cumprissem rigorosos novos padrões em relatórios, além da mensuração das provisões para devedores duvidosos, avançando na criação de um modelo mais reativo se comparado ao modelo anterior.

Tal mudança vem trazendo um impacto significativo em instituições financeiras, que se ajustaram a um novo modelo de perda de crédito, uma vez que o impairment da IFRS 9 afetou, além da definição do modelo de risco, a metodologia da provisão e os modelos operacionais. Assim, a provisão de Perda de Crédito Esperada resultaria basicamente em um modelo preditivo ou um relatório aos seus usuários, reunindo demonstrações contábeis do valor do ativo que a entidade que está reportando realmente espera recuperar de seus devedores, levando em consideração fatores como o desempenho histórico da carteira de dívida e o efeito que futuras mudanças na economia podem causar. Para este relatório, seus cálculos devem ser feitos da forma mais robusta possível, de forma a absorver ajustes, demonstrar inclusões de novos produtos e clientes, além de garantir a aplicabilidade nas áreas impactadas.

Tudo sobre a LGPD - Lei de proteção aos Dados do Brasil
Tudo sobre a LGPD - Lei de proteção aos Dados do Brasil

Se feito corretamente, o IFRS 9 é capaz de fornecer estimativas justas do valor da carteira de devedores, uma vez que considera fatores específicos aplicáveis tanto à entidade quanto à sua esfera operacional, servindo até mesmo para entidades de grande porte, como grandes bancos e instituições internacionais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *